“É livre a manifestação do pensamento e da expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, sendo vedado o anonimato. (CF 88).”

14 de jul de 2012

Crack não é Droga, é uma Arma Química


Quem ouve a Rádio Band News Fluminense FM 94,9 Mhz diariamente pelas manhãs já deve ter ouvido alguma vez o jornalista Ricardo Boechat proferir a seguinte frase, quando o assunto é consumo ou tráfico de drogas: "O crack não é uma droga como uma outra qualquer, minha gente; ela é uma arma química".
De fato, analisando a dimensão dos estragos que o uso desta substância vem causando país afora, as autoridades não deveriam tratar o problema do crack apenas do ponto de vista policial. É preciso se levar em conta os enormes prejuízos sociais advindos do consumo de pedras de crack nas grandes cidades. Em agosto de 2009, postei aqui no Biorritmo, sob o título de "Crack: Pedras que levam para o fundo do poço", uma reportagem interessante sobre os efeitos desta droga no organismo dos usuários e as dimensões sociais do problema. Devido à expansão desta droga nas grandes cidades brasileiras e os seus reflexos na sociedade brasileira, volto ao tema. Parece que se o Brasil não tratar logo de acabar com o crack, o crack pode vir a acabar com o Brasil. Vamos relembrar rapidamente as principais características desta droga:
O crack deriva da planta de coca, é resultante da mistura de cocaína, bicarbonato de sódio ou amônia e água destilada, resultando em grãos que são fumados em cachimbos.
O surgimento do crack se deu no início da década de 80, o que possibilitou seu fumo foi a criação da base de coca batizada como livre.
O consumo do crack é maior que o da cocaína, pois é mais barato e seus efeitos duram menos. Por ser estimulante, ocasiona dependência física e, posteriormente, a morte por sua terrível ação sobre o sistema nervoso central e cardíaco.
Devido à sua ação sobre o sistema nervoso central, o crack gera aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, dilatação das pupilas, suor intenso, tremores, excitação, maior aptidão física e mental. Os efeitos psicológicos são euforia, sensação de poder e aumento da auto-estima.
A dependência se constitui em pouco tempo no organismo. Se inalado junto com o álcool, o crack aumenta o ritmo cardíaco e a pressão arterial o que pode levar a resultados letais.


Mais sobre o crack no Biorritmo: 
Oxi: uma nova droga mais barata e mais letal que o crack (15/05/2011)
Uma caravana contra o crack (31/11/2011)
Brasil fracassa no combate ao crack (08/12/2011)
Crack e criminalidade (15/01/2012)
Siga o Biorritmo no Twitter e fique por dentro das últimas do mundo das ciências: @profjabiorritmo
Também estou no Facebook: http://www.facebook.com/biorritmo.ja
Fonte:


2 comentários :

  1. Úia! Tu é das minhas!
    Boca no trombone!
    Parabéns pela coragem, e inteligencia!
    Estou seguindo-te. Também sou BUJM, mas quer uma dica? livre seus comentaristas das m'marditas' palavrinhas de confirmação.
    Um abraço!
    http://3.bp.blogspot.com/-FfVXOQouE6I/UAIz9wsF8rI/AAAAAAAARG8/W2yFrMnCgqQ/s320/pomba.jpg

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela visita.

    Vou seguir tua dica. Vou tirar, sim.

    Abraços

    ResponderExcluir

Você poderá deixar aqui sua opinião. Após moderação, será publicada.

Contador de caracteres